Mato Grosso, Sexta-Feira, 23 de Junho de 2017     
Vestibular 2017/2 UNEMAT

Estudos Literários

Disciplinas (Mapa da página | Voltar)

A ESTRUTURA CURRICULAR DO PROGRAMA COMPREENDE:

Para acessar a matriz curricular completa do programa, clique aqui.

 

DOUTORADO
O programa exige para totalização de créditos:
(01) disciplina obrigatória por linha de pesquisa (08 créditos);
(01) disciplina optativa (08 créditos);
Tese (32 créditos);
Outras atividades (04 créditos).

MESTRADO
O programa estrutura-se em uma (01) disciplina obrigatória por linha de pesquisa (08 créditos) e uma (01) disciplina optativa (08 créditos).
Participação em eventos científicos: 02
Total de créditos (disciplina): 24
Créditos da Dissertação: 16

Quadro geral de disciplinas com as respectivas bibliografias:

História e Teoria da narrativa (Obrigatória)

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Sim

Área(s) de Concentração: Estudos Literários

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

Conceito de narrativa. Narratologia. Gêneros narrativos: dominantes modais em gêneros particulares (conto, crônica, novela, romance). Anarrativa moderna e contemporânea.

Bibliografia:

AGUIAR E SILVA, V. M. Teoria da Literatura. Coimbra: Almedina,1974.

AUERBACH, Erich. Mimesis. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

BAKHTIN, M. Estética e criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

____. Questões de literatura e de estética. São Paulo: Hucitec/USP, 1988

BARTHES, Roland. O grau zero da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004

BLANCHOT, Maurice. L’espace littéraire. Paris: Gallimard, 2007

BUTOR, Michel. Essais sur le roman. Paris: Gallimard, 2008

BRANDÃO, Jacyntho Lins. A invenção do romance. Brasília: EDUNB, 2006

CAMARANI, Ana Luiza Silva e MARCHEZAN, Luiz Gonzaga (Orgs.). Espaço e tempo na narrativa. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: Editora

Página 13/61 - 17/05/2013 18:34:11

da UFMG, 2001

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução de Luiz Orlandi, Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2ª ed., 2006

_____. Lógica do sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2003

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2005

ECO, Umberto. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fonrtes, 1993.

_____. Lector in fabula. A cooperação interpretativa nos textos narrativos. São Paulo: Perspectiva, 1986.

FORSTER, Edward M. Aspectos do romance. Tradução de Maria Helena Martins. São Paulo: Globo, 1998

FRYE, Northrop. L’écriture profane. Essai sur la structure du romanesque. Paris: Circé, 1998

GAI, Eunice Piazza e OLIVEIRA, Vera Lúcia de. (Orgs.). Narrativas brasileiras contemporâneas em foco. Santa Maria: editora UFSM, 2012

ISER, Wolfgang. L’acte de lecture – théorie de l’effet esthétique. Traduit de l’allemand par Evelyne Sznycer. 2ª Ed. Belgique: Mardaga, 1987

JAMES, Henry. A arte da ficção. Organização e apresentação Antonio Paulo Graça; tradução de Daniel Pizza. São Paulo: Editora Imaginário,

1995

JAUSS, Hans Robert. Pour une herméneutique littéraire. Traduit de l’allemand par Maurice Jacob. Paris: Gallimard, 1988

KUNDERA, Milan. L’art du roman. Paris: Gallimard, 2008

LEFEBVE, M.J. Estrutura do discurso da poesia e da narrativa. Coimbra: Almedina, 1975.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2000

LIMA, Luiz Costa (Org.). Mímesis e a reflexão contemporânea. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010

MORETTI, Franco (Org.). A cultura do romance. São Paulo: Cosac Naify, 2009

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas literaturas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009

PROPP, V.Ya. Morphologie du conte. Paris, Gallimard, 1970.

RICOEUR, P. O conflito das interpretações. Porto: Res, s/d.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009

TODOROV, T. As estruturas narrativas. S.Paulo: Perspectiva, 1969.

_____. La littérature en péril. Paris, Flammarion, 2007

____. (Direction). Théorie de la littérature. Paris: Seuil, 2001

 

Tópicos de literatura comparada (Obrigatória)

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Sim

Área(s) de Concentração: Estudos Literários

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

Discussão sobre questões fundamentais da Literatura Comparada; Novas teorias comparatistas; Estudos comparados das obras literárias dospaíses de língua portuguesa.

Bibliografia:

ABDALA JR., Benjamin. Literatura, história e política. São Paulo: Ateliê, 2007.

BRUNEL, P. (Org.). Compêndio de literatura comparada. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

BRUNEL, P.; PICHOIS, C., & ROSSEAU, A.M. Que é literatura comparada? Trad. Célia Berretini. São Paulo: Editora Perspectiva, 1995.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: Estudos de teoria e história literária. São Paulo: T. A. Queiróz, 2000.

CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura Comparada. São Paulo: Ática. 1996.

CORNEJO POLAR, Antonio. O condor voa: Literatura e cultura latino-americanas. Trad. Ilke Valle de Carvallo. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

COUTINHO, E. F. & CARVALHAL, T. F. (Orgs.). Literatura Comparada: Textos Fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

COUTINHO, Eduardo. Literatura comparada na América Latina. (Ensaios). Rio de Janeiro: Eduerj, 2003.

GUILLÉN, C. Entre lo uno y lo diverso. Introducción a la literatura comparada. Barcelona: Tusquets, 2005.

KAISER, G. R. Introdução à literatura comparada. Trad. Tereza Alegre. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

LIMA, L.C. Teoria da literatura em suas fontes. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

MACHADO A. M. & PAGEAUX, D. H. Da Literatura Comparada à Teoria Literária. Lisboa: Edições 70, 1988.

MINER, Earl. Poética comparada.(Um ensaio intercultural sobre teorias da literatura). Trad. Angela Gasperin. Brasília: Editora da Universidade

de Brasília, 1996.

NITRINI, Sandra. Literatura comparada (história, teoria e crítica). São Paulo: Edusp, 2000.

PRAZ, Mario. Literatura e artes visuais. São Paulo, Cultrix, 1973. SANTILLI, M. A; Flory, S.F.V (Orgs.). Literaturas de Língua Portuguesa:

marcos e marcas. São Paulo: Arte & Ciência, 2007. (5 volumes).

SILVA, Agnaldo Rodrigues (org.). Diálogos literários – literatura, comparativismo e ensino. Cotia/SP: Ateliê, 2008.

SOURIAU, Etienne: A correspondência das artes. São Paulo: Cultrix, 1983.

WEISSTEIN, Ulrich. Comparative Literature and Literary Theory. London: Indiana Press, 1973.

WELLEK, R. & WARREN, A. Teoria da literatura e metodologia dos estudos literários. Trad. Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

 

A crônica e o conto contemporâneos

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória:Não

Carga Horária:120

Creditos:8

Ementa:

Leitura crítica da crônica e do conto contemporâneos; A questão do gênero; A categoria do leitor previsto; As tensões dialéticas, acepções e fronteiras da crônica e do conto: norma e estranhamento.

Bibliografia:

ANDRADE, Mário de. “Contos e contistas”. In: O empalhador de passarinhos. São Paulo: Martins, 1972.

ATAÍDE, Vicente. “Conto, contos”. Os vencedores. São Paulo: McGraw-Hill, 1978.

BENDER, Flora Chistina.; LAURITO, Ilka Brunhilde. Crônica: história, teoria e prática. São Paulo: Scipione, 1993.

BOLETIM BIBLIOGRÁFICO BIBLIOTECA MARIO DE ANDRADE. São Paulo, v. 46, n. 1/4, jan./dez.1985.

BOSI, Alfredo. Situação e formas do conto brasileiro contemporâneo. In: _____. O conto brasileiro contemporâneo. São Paulo: Cultrix, 1999

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade: estudo de história e teoria literária. São Paulo: Nacional, 1985.

______. et alii. A crônica: o gênero, sua fixação e as transformações no Brasil. Campinas: Ed. da UNICAMP; Rio de Janeiro: Fundação Casa de

Rui Barbosa, 1992.

CASANOVA, Pascale. La république mondiale des lettres. Paris: Seuil, 2008.

CORTÁZAR, Julio. Valise de cronópio. São Paulo: Perspectiva, 1993

COUTINHO, Afrânio. Ensaio e crônica. In: _____. A literatura no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olympio; Niterói: UFF, 1986 (vol. 6).

ECO, Umberto. A estrutura ausente. Trad. de Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 1971. p. 70–71.

______. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. Trad. de Giovanni Cutolo. São Paulo: Perspectiva, 1988.

FERBER, Michael. A Dictionary of Literary Simbols. Cambridge: University Press, 1999.

FILHO, Domício Proença (Org.). “Conto”. In: O livro do seminário – ensaios. São Paulo: 1983

GOMES, Gínia Maria (Org.). “Reflexões sobre o conto”. In: Narrativas contemporâneas – recortes críticos sobre Literatura Brasileira. Porto

Alegre: Libretos, 2012.

HOHLFELDT, Antônio. Conto Brasileiro Contemporâneo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1981

JÚNIOR, R. Magalhães. A arte do conto. Rio de Janeiro: Bloch, 1972.

_____. Variações sobre o conto. Rio de Janeiro: Serviço de documentação, MEC, 1952.

LUCAS, Fábio. “O conto brasileiro atual”. In: Primeiro encontro com a Literatura Brasileira. São Paulo: Secretaria de Cultura/Câmara Brasileira

do Livro, 1977.

MARTINS, S. J. de A. A crônica brasileira. São José do Rio Preto: IBILCE/UNESP, 1980. p. 1-17.

MASSAUD, Massaud. A crônica. In: _____. A criação literária. Prosa II. São Paulo: Cultrix, 1967.

MORAES, Vinicius de. “O exercício da crônica”. In: _____. Para viver um grande amor. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973. p. 9-13.

POUZADOUX, Claude. Contos e Lendas da Mitologia Grega. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2005

PROPP, V. Morphologie du conte. Paris: Gallimard, 1970.

REIS, Carlos; LOPES, A. C. M. Dicionário crítico de teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

VERÍSSIMO, Luis Fernando. Crônica: definições. Folha de S. Paulo, 09 out. 1970

 

A tragédia na ficção moderna brasileira

Nível:Mestrado e Doutorado

Obrigatória:Não

Carga Horária:120

Creditos:8

Ementa:

A tragédia grega e o trágico como categoria estética; A permanência do gênero na modernidade; Acomodação da estética da tragédia às novas formas literárias; O corpus privilegiado para exemplificação será a ficção de Mário de Andrade, notadamente os contos de Primeiro andar e o

romance Amar, verbo intransitivo.

Bibliografia:

ANDRADE, M. Amar, Verbo Intransitivo — Idílio. 16. ed. Belo Horizonte: Villa Rica, 1995.

ANDRADE, M. Aspectos da Literatura Brasileira. 5. ed. São Paulo: Martins, 1974.

ANDRADE, M. O Baile das Quatro Artes. São Paulo: Martins, 1963.

ANDRADE, M. Primeiro andar. In: ___. Obra Imatura. 3. ed. Belo Horizonte: Martins, Itatiaia, 1980. p.43-194.

ARISTÓTELES. Poética. In: ARISTÓTELES, HORÁCIO, LONGINO. A Poética clássica. São Paulo: Cultrix, 1981. p.17-54.

COSTA, Iná Camargo. “Tragédia no século XX” (Prefácio). In: WILLIAMS, Raymond. Tragédia Moderna. Trad. de Betina Bischof. São Paulo:

2002.

ELIADE, M. Função dos mitos. In: ELIADE, M. et al. O poder do mito. São Paulo: Martin Claret, s.d. p. 9-31.

FRYE, N. O mythos do outono: a tragédia. In.: ___. Anatomia da crítica. Trad. Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Cultrix. p.203-19.

GATTO, D. Uma tragédia cristã no Conto de Natal de Mário de Andrade. Revista Ecos, Cáceres, v. 01, p. 107-119, 2004.

GATTO, D. O sacrifício estético e a tragédia pessoal de Mário de Andrade. Revista Urutágua, Maringá (PR), v. 9, 2006.

GATTO, D. Uma combinação de máscaras sobrepostas no processo de construção de personagens em Mário de Andrade. In: SILVA, Agnaldo

Rodrigues (Org.). Diálogos literários: literatura, comparativismo e ensino. São Paulo: Atelie, 2009. p. 413-435.

GATTO, D. A Tragédia na ficção de Mário de Andrade. Assis, 2004. 366f. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Ciências e Letras,

Campus de Assis, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

HAUSER, A. História social da literatura e da arte. São Paulo: Mestre Jou, 1972.

LESKI, A. A tragédia grega. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

NIETZSCHE, F. W. O Nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Trad. J. Guinsburg. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ROSENFELD, A. Nietzsche e o irracionalismo. Revista USP, v.11, p.8-17, 1991.

SCHILLER, F. Teoria da tragédia. São Paulo: Herder, 1964.

 

Comparatismo literário em língua portuguesa

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

A disciplina tem como objetivo discutir critérios e conceitos para o comparatismo entre as literaturas de língua portuguesa, relevando as imbricações entre literatura, história, sociedade e política. Serão objetos de estudo basicamente narrativas em prosa de ficção do "neo-realismo" ou "novo-humanismo", tendência marcadamente político-social das literaturas em língua portuguesa que se originaram de polarizações ideológicas, no período entre-guerras mundiais e suas decorrências na guerra-fria. Em contraponto, ou tensão com esses horizontes, serão discutidas questões relativas à crise da modernidade e a abertura de novos paradigmas críticos.

Bibliografia:

ANDERSON, B. Nação e consciência nacional. São Paulo: Ática, 1986.

ANDERSON, Perry. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

ARRIGHI, Giovanni. 4.reimp. Rio de Janeiro/São Paulo: Contraponto/Edunesp, 2003.

BLOCH, Ernst. Le principe espérance. Paris, Gallimard, 1976, 1982, 1989. 3 tomes.

BOBBIO, Norberto. O filósofo e a política. Antologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2003.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa. Rio de Janeiro: Difel. Bertrand do Brasil, 1989.

CANCLINI, Héctor Néstor. Consumidores e cidadãos. Conflitos multiculturais da globalização. - A globalização imaginada. São Paulo:

Iluminuras, 2003.

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 3a. ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1999.

_____. O poder da identidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FANON, Frantz. Peau noire et masquesblancs. Paris: Seuil, 1952.

GLISSANT, Édouard. Introduction à une poétique du duvers. Montréal: Presses de l´Université de Nontréal, 1995.

GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

_____. A colonização do imaginário. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. Da UFMG, 2003.

JAUSS, Hans Robert. Pour une esthétique de la récepcion. Paris: Gallimard, 1978.

JAMESON, Fredric. The political uncounscious. Narrative as socially symbolic act. Ithaca, New York: Cornell University Press, 1981.

MORUS, THOMAS. A ilha da Utopia. 7ª ed. Lisboa: Guimarães Editores, 1990.

MOTA, Lourenço D. Organização. Introdução ao Brasil. Um banquete nos trópicos. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 1999 e 2000. 2v.

NOVAES, Adauto. Organização. A crise do estado-nação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

RAMA, Angel. Transculturación narrativa em la América Latina. México: Siglo Veintiuno, 1982.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

_____. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

_____. Cultura e política. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

_____. Fora do lugar. Memórias. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

_____. O inconsciente político. A narrativa como ato socialmente simbólico. São Paulo: Ática, 1992.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez Editora, 2000.

 

História literária e a formação do cânone brasileiro

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

A historiografia: um conflito metodológico: entre a história e o estético. O entrelugar da História e da história literária. A constituição canônica. As

Historiografias Nacionais e regionais.

Bibliografia:

AMORA, Antonio Soares. História da literatura brasileira. São Paulo: Saraiva, 1955.

BEZERRA de Freitas. História da Literatura Brasileira. Porto Alegre: Globo, 1939.

BLOOM, Harold. O cânone ocidental. Tradução de Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010

BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994.

CANDIDO. Antonio. Formação da Literatura Brasileira. São Paulo: Martins Fontes, 1959.

CARVALHO, Ronald. Pequena História da literatura brasileira. Rio: Briguiet, 1919.

CASTELO, José Aderaldo. A Literatura Brasileira. São Paulo: EDUSP, 2004.

COUTINHO, Afrânio. (Org.). A Literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Editorial Sul-americana, 1956.

FRAISSE, LUC. (Direction). L’histoire littéraire à l’aube du XXIe siècle – controverses et consensus. Paris: Presses Universitaires de France,

2005

FREYRE, Gilberto. Manifesto Regionalista. Recife: Editora região, 1952.

LACOMBE, Paul. Introduction à l’histoire littéraire. Paris: Hachette, 1898.

LIMA, Alceu Amoroso. Introdução à literatura brasileira. Rio: Agir, 1956.

LIMA, Alceu Amoroso. Quadro sintético da literatura brasileira. Rio: Agir, 1956.

MACEDO, Joaquim Manuel de. Lições de História do Brasil para os alunos do Imperial Colégio de Pedro II. Rio de Janeiro: Tipografia Imparcial

J. M. Nunes Garcia, 1863.

MACEDO, Joaquim Manuel de. Lições de História do Brasil. Rio de Janeiro: Domingos José Gomes Brandão, 1865.

MAGALHÃES, Hilda Gomes Dutra. História da Literatura de Mato Grosso. Cuiabá: Cathedral, 2001.

MOISAN, Clément: Qu’est-ce que l’histoire littéraire? Paris: P.U.F., 1987.

MARTINS, Wilson. História da inteligência brasileira. São Paulo: Cultrix, 1976, III v.

MARTINS, M. A evolução da literatura brasileira. Rio: s.e., 1945.

MATTOS, Selma Rinaldi de. O Brasil em lições. A História como disciplina escolar em Joaquim Manuel de Macedo. Rio de Janeiro: Access,

2000.

MENDONÇA, Rubens. História da Literatura Mato-grossense. 2. ed. Cáceres: Editora da Unemat, 2004.

MERQUIOR, José G. De Anchieta a Euclides. Breve História da literatura brasileira. Rio: J. Opympio, 1977.

MURICI, Andrade. A nova literatura brasileira. Porto Alegre: Globo, 1936.

RENAN, Ernest. Qu’est-ce qu’une nation? In: FOREST, Philippe (Org.). Paris: Bordas, 1991.

ROMERO, Silvio. História da literatura brasileira. Rio: Garnier, 1888.

RONCARI, Luís. Literatura Brasileira. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2002.

SERRA, Tania Rebelo Costa. Joaquim Manuel de Macedo ou os dois Macedos. A luneta mágica do II Reinado. Brasília: EdUnB, 2004.

SERRA, Tania Rebelo Costa. Memória cultural e a construção da identidade cultural brasileira. O cânone literário romântico oficial. Revista

Cerrados, da PG do TEL/UnB, Brasília, n. 8, ano 7, 1998, p. 45-54.

Página 14/61 - 17/05/2013 18:34:11

SODRÉ, Nelson V. História da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultura Brasileira, 1938.

VERISSÏMO, José. História da literatura brasileira. Rio: Francisco Alves, 1916.

 

Lírica e Modernidade

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória:Não

Carga Horária:120

Creditos:8

Ementa:

Poeticidade: as categorias do discurso poético; Configurações da lírica na modernidade; Dissonância e hermetismo.

Bibliografia:

ÁVILA, Affonso. O poeta é um jogador. In: ______. O lúdico e as projeções do mundo Barroco I. São Paulo: Perspectiva, 1994.

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Abril Cultural, 1981.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1983.

BOWRA, C. M. Poesia y canto primitivo. Barcelona: A. Bosch editor, s. d.

CAMPOS, Haroldo de. Comunicação na poesia de vanguarda. In: _____. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva: 1977.

CARVALHO, Carlos Gomes de. A poesia em Mato Grosso. Um percurso histórico de dois séculos. Cuiabá: Verde Pantanal, 2003.

CASTRO, Manuel Antônio (Org.). A construção poética do real. Rio de Janeiro: 7Letras, 2004

COLLOT, Michel. La poésie moderne et la structure d’horizon. Paris: Presses Universitaires de France, 2005

D’ONOFRIO, Salvatore. Teoria da lírica. In:______. Teoria do texto 2. São Paulo: Ática, 1995.

DUFRENNE, Mikel. As figuras do poeta. In: ____. O poético. São Paulo: Cultrix, 1983.

GENETTE, Gérard. (Org.). Esthétique et poétique. Paris: Seuil, 1992

HAMBURGER, Kate. O gênero lírico. IN. _____. A lógica da criação literária. São Paulo: Perspectiva, 1975.

HEIDEGGER, Martin. Arte y Poesia. México: Fondo de cultura Econômica, 1985.

HOLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). 26 poetas hoje. Rio de Janeiro: Labor do Brasil, 1976.

FAUSTINO, Mário. Fontes e correntes da poesia contemporânea. In: ____. Poesia experiência. São Paulo: Perspectiva, 1977.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas cidades, 1991.

POE, Edgar Allan. A filosofia da composição. In: _____. Ensaios escolhidos. Rio de Janeiro: Globo, 1989.

POUND, Ezra. A arte da poesia. São Paulo: Cultrix, 1976.

PAZ, Otávio. O arco e a lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PAZ, Octavio. Os filhos do barro: do romantismo à vanguarda. Tradução de Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984

PAZ, Otávio. Verso e prosa. In: ____. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva, 1990.

PROENÇA, M. C. Ritmo e Poesia. Rio de Janeiro: Simões, s. d.

RABATÉ, Dominique. Poétiques de la voix. Paris: José Corti, 1999

RICHARD, Jean-Pierre. Poésie et profondeur. Paris: Seuil, 1976

RIFATERRE, Michael. A semântica do poema. IN: _____. A produção do texto. São Paulo: Martins fontes, 1989.

SAVARY, Olga. Antologia da nova poesia brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Rio/ Hipocampo, 1992.

STAIGER, E. Conceitos fundamentais de poética. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1997

 

Literatura infantil/juvenil: história, formas e perspectivas

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 08

Ementa:

A disciplina pretende abordar a gênese bem como as transformações ocorridas pela literatura para crianças e jovens no Brasil e em outrasculturas de língua portuguesa, destacando suas diversas formas e ainda discutindo algumas perspectivas de ensino e possíveis tendências.

Bibliografia:

AGUIAR, Vera Teixeira de & MARTHA, Alice Aurea Penteado (Org.). Conto e reconto: das fontes à invenção. São Paulo: Cultura Acadêmica,

2012.

ARIÉS, Philippe. História social da criança e da família. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1986.

ARROYO, Leonardo. Literatura Infantil Brasileira. São Paulo, Editora UNESP, 2011.

BORDINI, Maria da Glória. Poesia Infantil. São Paulo: Ática, 1986.

CAMARGO, Luís. A ilustração do livro infantil. Belo Horizonte: Editora Lê, 1995.

CÂNDIDO, Antonio. Estudo analítico do poema. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2004.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora da Unesp – Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: 1999.

COELHO, Nelly Novaes. Panorama Histórico da literatura infantil e juvenil. São Paulo: Amarilys, 2010.

_____ Dicionário Crítico da Literatura Infantil Brasileira. São Paulo: Edusp, 1995.

_____ A Literatura Infantil. São Paulo: Moderna, 2000.

_____ O conto de fadas: símbolos, mitos, arquétipos. São Paulo: DCL, 2003.

FIGUEIREDO, Eurídice. Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

FISCHER, Steven Roger. História da leitura. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

FREITAS, Marcos Cezar (Org) História Social da Infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2006.

GADOTTI, Moacir. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

GREGORIN FILHO, José Nicolau. Literatura Infantil: múltiplas linguagens na formação de leitores. São Paulo: Melhoramentos, 2009.

_____ Literatura Juvenil: adolescência, cultura e formação de leitores. São Paulo: Melhoramentos, 2011.

HUNT, Peter. Crítica, teoria e literatura infantil. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

LAJOLO Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 2008.

LAJOLO, Marisa e CECCANTINI, João Luís (Orgs.) Monteiro Lobato, livro a livro: Obra infantil. São Paulo: Editora da Unesp, Imprensa Oficial do

Estado de São Paulo: 2008.

LAJOLO, Marisa. e ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira. São Paulo: Ática, 1984.

_____ A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 2009.

_____ A leitura rarefeita: livro e literatura no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

PERROTTI, Edmir. Confiinamento cultural, Infância e Leitura. São Paulo: Summus Editorial, 1990.

ROCCO, Maria Tereza Fraga. Crise na linguagem. São Paulo: Mestre Jou, 1981.

SORIANO, Marc. Guide de la Literature pour la Jeunesse. Paris : Flamarion, 1975.

SOUZA, Ângela Leite de. Contos de fada : Grimm e a literatura oral no Brasil. Belo Horizonte: Editora Lê, 1999.

YUNES, Eliana e PONDÉ, M. da Glória. Leitura e leituras da literatura infantil. São Paulo: FTD, 1988.

ZILBERMAN, Regina e LAJOLO, Marisa. A leitura rarefeita: livro e leitura no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

ZILBERMAN, Regina (org.). Leitura em crise na escola. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.

_____ A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 2003.

 

Literatura, Regionalismos, Identidades Culturais

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

Análise da historiografia, na perspectiva da pesquisa literária dos textos em suas manifestações regionais. Concepções do regional e do nacional que fundamentam a historiografia literária. O local e o global na constituição das identidades plurais: perspectivas para os estudos literários.

Bibliografia:

ABDALA Jr, Benjamin (Org.). Margens da cultura: Mestiçagem, hibridismo e outras misturas. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALBUQUERQUE Jr, Durval Muniz. Preconceito contra a origem geográfica e de lugar: as fronteiras da discórdia. São Paulo: Cortez, 2007.

ANDERSON, Benedict. Nação e consciência nacional. São Paulo: Ática, 1989.

ANDRADE, Mário de. Aspectos da Literatura Brasileira. São Paulo: Martins, 1974.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

____. Literatura e resistência. São Paulo: Cia das Letras, 2002.

CANCLINI, Néstor G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4 ed. Trad. Ana Regina Lessa e Heloisa P. Cintrão. São

Paulo: Edusp, 2003.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: Itatiaia, 1997.

DA MATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil?. Rio de Janeiro: Sala, 1984

FREYRE, Gilberto. Casa-grande e Senzala. 28.ed. Rio de Janeiro: Record, 1992.

GOMES, Renato Cordeiro. Cosmopolitismos, nacionalismos, lugares e não-lugares na cultura contemporânea. In: Geografias literárias e

culturais: espaços/temporalidades. Org. Lea Masina, Gilda N. Bitencourt, Rita T. Schmidt. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

HEIDRUN, Olinto Krieger e SCHOLLHAMMER, Karl Erik (Orgs.) Literatura e Mídia. São Paulo: Loyola, 2002.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia. Das Letras, 1997.

JAGUARIBE, Beatriz. O Choque do Real: estética, mídia e cultura. Rio de janeiro: Rocco, 2007.

MAGALHÃES, Hilda Gomes Dutra. História da Literatura de Mato Grosso: Século XX. Cuiabá: Unicen Publicações, 2001.

MOREIRA, Dante. O caráter nacional brasileiro: história de uma ideologia. 4. Ed. Definitiva com introdução de Alfredo Bosi.São Paulo: Pioneira,

1983.

PEREIRA, Lucia Miguel. História da literatura brasileira: prosa de ficção de 1870 a 1920. Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: Edusp, 1988.

RAMA, Angel. Literatura, Cultura e Sociedade na América Latina. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2008.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

____. O processo civilizatório. Etapas da evolução sociocultural. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

SAID, Edward. Representações do intelectual: as conferências Reith de 1993. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

SANTIAGO, Silviano. O cosmopolitismo do pobre. Belo Horizonte, MG: Editora da UFMG, 2008.

____. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva, 1980.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SCHWARTZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas Cidades, 1977.

WEBER, João Hernesto. A nação e o paraíso na construção da nacionalidade na historiografia literária brasileira. Florianópolis, SC: Editora da

UFSC, 1997.

ZILBERMAN, Regina e MOREIRA, Maria Eunice. O berço do cânone. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1998.

 

Literaturas e culturas ibero-afro-americanas

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

Textos fundamentais da critica e da teoria relacionados aos estudos das literaturas contemporâneas dos países de língua portuguesa. Autores,períodos e tendências nas relações com outras séries culturais.

Bibliografia:

ABDALA JUNIOR, Benjamin. De vôos e ilhas: Literatura e Comunitarismos. São Paulo: Ateliê, 2003.

ABDALA JUNIOR, Benjamin. Literatura, História e Política: Literaturas de língua portuguesa no século XX. SP: Ateliê, 2007.

ADORNO, T. W. Teoria estética. Madrid, Taurus, 1971.

BASTIDE, R. Estudos afro-brasileiros. São Paulo, Perspectiva, 1973.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas. V. 1. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. 2. ed. São Paulo,

Brasiliense, 1986. V. 2. Rua de mão única. São Paulo, Brasiliense, 1987.

BERND, Z. Negritude e literatura na América Latina. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1987.

BOSI, A. Dialética da colonização. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

CANDIDO, A. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo, Ática, 1987.

____. Formação da literatura brasileira; momentos decisivos. São Paulo, Martins, 1959.

FANON, F. Os condenados da terra. 2. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1979.

FREYRE, G. Casa grande & senzala. Rio de Janeiro, José Olympio, 1961.

GLISSANT, E. Le discours antillais. Paris, Seuil, 1981.

GUILLÉN, C. Entre lo uno y lo diverso. Introducción a la literatura comparada. Barcelona, Editorial Crítica, 1985.

JAUSS, H. R. Pour une esthétique de la récepcion. Paris, Gallimard, 1978.

MEMMI, A. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1977.

SANTILLI, M. A. Africanidade. São Paulo, Ática, 1985.

SAID, E. W. Culture and imperialism. New York, A. A. Knopf, 1994.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice. 2. ed. São Paulo, Cortez Ed., 1996.

 

Literatura Africanas de Língua Portuguesa

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

Estudo das relações entre sociedade e política nas literaturas africanas de Língua Portuguesa. Discussão de temas e tópicos destas literaturas.Contexto de surgimento e formação dos sistemas literários e interfaces com outras literaturas.

Bibliografia:

ABDALA JR., Benjamin. Literatura, história e política. São Paulo: Ateliê, 2007.

ANDRADE, Mário de. Antologia temática da poesia africana. V.1 e 2. Lisboa: Sá da Costa, 1975.

BASTIDE, Roger. Estudos afro-brasileiros. São Paulo: Perspectiva,1973.

BOSI, Alfredo. Dialéctica da colonização. São Paulo:, Companhia das Letras,1992.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e historia literária. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2007.

CHABAL, Patrick. Vozes moçambicanas. Lisboa: Vega, 1994.

CHAVES, Rita. A formação do romance angolano. Maputo/São Paulo: FBLP / Via Atlântica, 1999.

ERVEDOSA, Carlos. Roteiro da literatura angolana. 3ed.Luanda: UEA,1979.

FERREIRA, Manuel. Literaturas Africanas de expressão portuguesa. Lisboa: Instituto de Cultura Portuguesa, 1977.

LABAN, Michel. Angola - Encontro com escritores. Porto: Fundação Engenheiro António de Almeida,1991. (vol. Angola, Cabo Verde e

Mocambique)

KANE, K. Mohamadou. Romain africain et tradition. Dakar: Les nouvelles éditions africaines, 1982.

ILIFFE, John. Os africanos: história dum continente. Trad. Maria Filomena Duarte. Lisboa: Terramar, 1994.

MACÊDO, Tania. Angola e Brasil: estudos comparados. São Paulo: Arte & Ciência / Via Atlântica, 2002.

MAQUEA, Vera. A escrita nômade do presente: literaturas de língua portuguesa. São Paulo: Arte e Ciencia, 2010.

MEMMI, Alberto. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

NOA, Francisco. Império, mito e miopia: a invenção de Moçambique. Lisboa: Caminho, 2002.

PADILHA, Laura. Entre voz e letra: o lugar da ancestralidade na ficção angolana do século XIX. Niterói: EDUFF,1995.

RIAUSOVA, Helena. Dez anos de literatura angolana. Luanda: UEA, 1989.

SANTILLI, Maria Aparecida. Africanidades. São Paulo: Ática, 1985.

 

Literatura, imprensa e vida social

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

Relações entre discurso literário e o jornalístico. O surgimento e consolidação da imprensa no Brasil e Portugal. Representação literária, o cotidiano e a vida social.- o romance no final do século XIX. – Autores, Periódicos fundamentas, Revistas femininas. Surgimento do conto no Brasil. O Jornal e a constituição do repertório das dos escritores de língua portuguesa.

Bibliografia:

ABDALA JR., Benjamin. De vôos e Ilhas: Literatura e Comunitarismos. São Paulo: Ateliê Ed., 2003.

ARCHER, Maria. A censura à Imprensa e ao livro. 6 de Out. 1956, pp.5,6. Portugal Democrático, jornal mensal, São Paulo, (7 Jul 1956-1974),

Dir. Otávio Martins de Moura.

ASSIS, Machado. Comentários da Semana. Org. Lúcia Granja e Jeferson Cano. Campinas. Editora Unicamp, 2008.

AZEVEDO, Aluísio. O Cortiço. São Paulo, Martins, 1961.

BATTISTA, Elisabeth. Entre a Literatura e a Imprensa: Percursos de Maria Archer no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

2007, 213 p.

BARRETO, Lima. Recordações do Escrivão Isaías Caminha. 3ª ed. São Paulo, O Livro de Bolso, 1943.

BAHIA, Juarez. Jornal: História e Técnica. 4. ed., São Paulo, Ática, 1990.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade; estudos de teoria e história literária. 7. ed. São Paulo, Nacional, 1985.

CULLER, Jonathan. On Deconstruction: Theory and Criticism After Structuralism. Ithaca, Cornell University Press, 1992.

DIMAS, Antônio (Org.). Vossa insolência: crônicas / Olavo Bilac. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FANTINI, Marli (org.). Crônicas da antiga corte: Literatura e História em Machado de Assis.Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

FOUCAULT, A Arqueologia do Saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1995.

_______. A Ordem do Discurso. São Paulo, Loyola, 1996.

GLEDSON, John (org.). A semana: crônicas (1892-1893), Machado de Assis. São Paulo, 1996. p. 159-162.

LIMA, Luís Costa. Vida e Mimesis. São Paulo, Editora 34, 1995.

MACHADO, Antônio de Alcântara. Brás Bexiga e Barra Funda. Em Novelas Paulistanas. Rio de Janeiro, José Olympio, 1957.

MINÉ, Elza. Páginas Flutuantes. Eça de Queirós e o Jornalismo no Século XIX. São Paulo: Ateliê Editorial, 2000.

_____. O Novo Mundo 1870-1879: Da Enunciação da Proposta às suas Revisitações. São Paulo, Livre-docência Letras-USP, 1991.

_____. Eça de Queirós Jornalista. Lisboa: Livros Horizontes, 1986.

NUNES, Aparecida Maria. Clarice Lispector Jornalista. Páginas femininas & outras páginas. São Paulo: Senac, 2006.

PAIVA DE LUCA, Heloisa Helena (org.). Balas de estalo de Machado de Assis. São Paulo: Annablume, 1998.

SODRÉ, Nelson W. História da Imprensa no Brasil. São Paulo, GRAAL, 1997.

 

Metodologia da pesquisa

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

O conhecimento e sua tipologia; a questão do método; o processo de elaboração de uma pesquisa; Tipologia do trabalho intelectual e metodologia aplicada ao estuda da literatura.

AGUIAR e SILVA, V. M. Teoria da literatura. 8. ed. Coimbra: Almedina, 1997.

ANDRADE, M. M. Introdução è metodologia do trabalho científico.São Paulo: Atlas, 1994.

BACHELARD, G. O novo espírito científico. São Paulo, Abril Cultural. Col.Os Pensadores, 1974.

BORDENAVE, J. D.; PEREIRA M.. Estratégia de ensino-aprendizagem. 13.ed. Petrópolis: Vozes, 1983.

CERVO A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 3. ed. São Paulo McGraw-Hill do Brasil, 1983.

D´ONOFRIO, Salvatore. Metodologia do trabalho intelectual. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

ECCO, H. Como se faz uma tese. S.Paulo: Perspectiva, 1996.

GATTO, D. A prática do professor e a formação para a pesquisa. Tribuna de Tangará, Tangará da Serra (MT), v. 1014, p. 9 - 9, 15 jun. 2000.

GATTO, D. Fases de uma pesquisa investigativa. In: BOTH, Sergio José (Org.). Metodologia da pesquisa científica: teoria e prática ou prática à teoria. Tangará da Serra: Sanches, 2007. p. 57-65.

GATTO, D. Leitura, livros, professores. Diário de Cuiabá, Cuiabá, v. 10341, p. A3 - A3, 08 jul. 2002.

GATTO, D. Pesquisa e Ensino. In: BOTH, Sergio José. (Org.). Metodologia da pesquisa científica: teoria e prática ou prática à teoria. Tangará da Serra: Sanches, 2007. p. 35-55.

HAUSER, A. História social da literatura e da arte. 2. ed. São Paulo: Mestre Jou, 1972.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica 2. ed. São Paulo: Atlas, 1985.

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de metodologia científica. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1999.

SALVADOR, Ângelo Domingos. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. 6. ed. Porto Alegre: Sulina, 1977.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. (Org.). Técnicas de ensino: por que não? 2. ed. Campinas: Papirus, 1993.

 

Temas e Tópicos em Estudos Literários

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória:Não

Carga Horária:120

Creditos:8

Ementa:

Conceito de cultura, anti-cultura e fronteira. Conceito de texto e suas modalidades. Texto: contexto, intertexto e intratexto. Texto narrativo: enunciação e enunciado; atores, tempo e espaço. Texto poético: conceituação, estrutura. Figuras.

Bibliografia:

ADORNO, Theodor W. Teoria estética. Tradução de Artur Morão. Lisboa: edições 70, 1970.

AGUIAR E SILVA, V. M. Teoria da Literatura. Coimbra: Almedina,1974.

ARISTÓTELES. Arte Retórica e Arte Poética. Trad. Antonio Pinto de Carvalho. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1988.

ARMISTOG, K. A Bíblia (uma biografia).Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

AUERBACH, Erich. Mimesis. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

ÁVILA, A. O lúdico e as projeções do mundo Barroco I. São Paulo: Perspectiva, 1994.

BAKHTIN, M. Estética e criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, M. La poétique de Dostoievski. Paris:Seuil, 1970.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética. São Paulo: Hucitec/USP, 1988

BERISTÁIN, H. Dicionario de retórica y poética. 8ª ed. México: Porrúa, 1997

BORNHEIM, Gerd A. O sentido e a máscara. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1983.

BOURNEUF, R. E OUELET,R. O universo do romance. Coimbra: Almedina. 1976.

BREMOND, C. Logique du récit. Paris, Seuil, 1973.

BURKE, K. Teoria da forma literária. São Paulo: Cultrix/USP, 1969.

COSTA LIMA, L. Teoria da literatura em suas fontes. Vol.I, Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

EAGLETON, Terry e BEAUMONT, Matthew. A tarefa do crítico. Tradução de Mateus Corrêa. São Paulo: Editora UNESP, 2010

ECO, Umberto. Sobre a literatura. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro – São Paulo: Record, 2003

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Vol. I e II. Tradução de Flávio Paulo Meurer.

Petrópolis-RJ: Vozes; Bragança Paulista-SP: Editora Universitária São Francisco, 2005

GASSINER, John. Mestres do Teatro I. Trad. de Alberto Guzik e J. Guinsburg. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1997.

GASSINER, John. Mestres do Teatro II. Trad. de Alberto Guzik e J. Guinsburg. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

GREIMAS, A.J e COURTÈS, J.Dicionário semiótico. São Paulo:Contexto, 2008.

LEFEBVE, M.J. Estrutura do discurso da poesia e da narrativa. Coimbra: Almedina, 1975.

MELO e SOUZA, Ronaldes de. Ensaios de poética e hermenêutica. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2010.

PAZ, Otávio. O arco e a lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PAZ, Otávio. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva, 1990.

POUND, Ezra. A arte da poesia. São Paulo: Cultrix, 1976.

PROPP, V.Ya. Morphologie du conte. Paris: Gallimard, 1970.

RICOEUR, Paul. O conflito das interpretações – ensaios de hermenêutica. Tradução de Hilton Japiassu. Rio de Janeiro: Imago, 1978.

TADIÉ, Jean-Yves. A crítica literária no século XX. Tradução de Wilma Freitas Ronald de Carvalho. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1987.

TODOROV, T. Poétique de la prose. Paris: Seuil, 1971.

 

Tendências Contemporâneas do Teatro nos Países de Língua Portuguesa

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

Panorama do Teatro Moderno nos países de língua oficial portuguesa: moderno teatro brasileiro; moderno teatro português, tendências contemporâneas do teatro nos países de língua portuguesa.

Bibliografia:

ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. Trad. de Teixeira Coelho. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido: e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

CASSIRER, Ernst. Ensaio Sobre o Homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. Trad. de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Martins

Fontes, 1994.

FORTES, Luiz Roberto Salinas. Paradoxo do Espetáculo: Política e Poética em Rousseau. São Paulo: Discurso Editorial, 1997.

GARCIA, Silvana. Teatro da Militância: a intenção do popular no engajamento político. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

GASSINER, John. Mestres do Teatro I. Trad. de Alberto Guzik e J. Guinsburg. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1997.

GASSINER, John. Mestres do Teatro II. Trad. de Alberto Guzik e J. Guinsburg. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. Trad. de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LESKY, Albin. A Tragédia Grega. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, s/d.

MAGALDI, Sábato. Moderna Dramaturgia Brasileira. São Paulo: Perspectiva, 1998.

NIETZSCHE, Friedrich. O Nascimento da Tragédia: ou helenismo e pessimismo. Trad. Notas e posfácio de J. Guinsburg. São Paulo: Cia das

Letras, 1992.

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia – a construção do personagem. São Paulo: Ática, 1989.

PRADO, Décio de Almeida. Peças, Pessoas e Personagens: o teatro brasileiro de Procópio Ferreira a Cacilda Becker. São Paulo: Companhia

das Letras, 1993.

REBELLO, Luiz Francisco. Breve História do Teatro Português. 5.ed. Portugal: Publicações Europa-América, 2000.

RODRIGUES, Agnaldo. O futurismo e o teatro. Tangará da Serra: A. R edições, 2000.

ROSENFELD, Anatol. O Mito e o Herói no Moderno Teatro Brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 1982.

ROSENFELD, Anatol. Prismas do Teatro. São Paulo: Perspectiva, 1993.

SILVA, Agnaldo Rodrigues. Diálogos Literários – literatura, comparativismo e ensino. Cotia/SP: Ateliê, 2008.

_____. Projeção de mitos e construção histórica no teatro trágico. Campinas: RG editora, 2008.

SZONDI, Peter. Ensaio sobre o Trágico. Trad. de Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

WILLIAMS, Raymond. Tragédia Moderna. Trad. de Betina Bischof. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

 

Tópicos da Lírica Brasileira

Nível: Mestrado e Doutorado

Obrigatória: Não

Carga Horária: 120

Creditos: 8

Ementa:

Estudo da lírica na literatura brasileira no século XIX: Poetas e tendências.

Bibliografia:

ANDRADE, M. A escrava que não é Isaura. In: ___. Obra Imatura. 3. ed. Belo Horizonte: Martins, Itatiaia, 1980. p.195-300.

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Abril , 1981.

ARRIGUCCI, D. Humildade, paixão e morte: a poesia de Manuel Bandeira. s.Paulo: Cia das Letras, 1990.

ARRIGUCCI, D. O cacto e as ruínas: a poesia entre outras artes. S.Paulo: Duas Cidades, 1988.

ÁVILA, Affonso. O poeta é um jogador. IN: ______. O lúdico e as projeções do mundo barroco I. São Paulo: Perspectiva, 1994.

BARBOSA, J..A. A metáfora crítica. S.Paulo: Perspectiva, s/d

BOSI, Alfredo. Céu e inferno. S.Paulo: Ática, 1988.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1983.

BOWRA, C. M. Poesia y canto primitivo. Barcelona: Bosch editor, s. d.

CAMPOS, Geir. Pequeno dicionário de arte poética. São Paulo: Cultrix, 1978.

CAMPOS, H.de. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva: 1977.

CARVALHO, Carlos Gomes de. A poesia em Mato Grosso. Um percurso histórico de dois séculos. Cuiabá: Verde Pantanal, 2003.

DUFRENNE, Mikel. O poético. São Paulo: Cultrix, 1983.

FAUSTINO, Mário. Fontes e correntes da poesia contemporânea. IN: ____. Poesia experiência. São Paulo: Perspectiva, 1977.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas cidades, 1991.

GULLAR, F. Vanguarda e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civ.Bras., 1969.

HAMBURGER, Kate. O gênero lírico. IN. _____. A lógica da criação literária. São Paulo: Perspectiva, 1975.

HEIDEGGER, Martin. Arte y Poesia. México: Fondo de cultura Econômica, 1985.

HOLANDA, Heloísa Buarque de (org.) 26 poetas hoje. Rio de Janeiro: Labor do Brasil, 1976.

KNOLL, V. Paciente arlequinada: uma leitura da obra poética de Mário de Andrade. São Paulo: Hucitec, 1983.

LAFETÁ, J.L. 1930: a crítica e o modernismo. S.Paulo: Duas Cidades, 1977.

PAZ, Otávio. O arco e a lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PAZ, Otávio. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva, 1990.

POE, Edgar Allan. A filosofia da composição. IN: _____. Ensaios escolhidos. Rio de Janeiro: Globo, 1989.

POUND, Ezra. A arte da poesia. São Paulo: Cultrix, 1976.

PROENÇA, M. C. Ritmo e Poesia. Rio de Janeiro: Simões, s. d

RIFATERRE, Michael. A semântica do poema. IN: ___. A produção do texto. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

SAVARY, Olga. Antologia da nova poesia brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Rio/ Hipocampo, 1992.

SCHWARZ, R Que horas são. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

SCHWARZ, R. O psicologismo da poética de Mário de Andrade. In: ___ . A sereia e o desconfiado. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1981.

p.13-23.

WISNIK, J. M. Mário e a música. Revista da Biblioteca Mário de Andrade. São Paulo, v.50, p.80-1, jan./dez. 1992.

Você esta aqui: Estudos LiteráriosDisciplinas

Rede Social


Copyright 2017 - Universidade do Estado de Mato Grosso
Av. Tancredo Neves, 1095 - Cavalhada II
78200-000 - Cáceres - Mato Grosso
PABX +55 (65) 3221-0000