A ECOPEDAGOGIA E SUA EPISTEME COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CRÍTICA NA ESCOLA

Gerson Marques Frutuoso, Cecilia de Campos França

Resumo


O objetivo desse ensaio foi o de refletir sobre os riscos de continuidade da ordem capitalista para as sociedades. Até os anos 50 do século XX, ainda podíamos assistir alguma ascensão de classe entre as pessoas. No entanto, vários são os autores que afirmam que isso não mais acontece. Os autores que nos acompanharam nesse trabalho foram: Paulo Freire (1996, 2000 e 2005); Gadotti (2000); Capra (1997); Duarte (2004); Marx (1968); Gutierrez e Prado (2008), Hobsbawn (1995) e Santos (2010) dentre outros. O capitalismo exige que os trabalhadores utilizem muito mais horas para realizar suas atividades profissionais do que no passado e, em contrapartida, eles podem muito menos do que podiam nossos ascendentes, tanto em termos de condições materiais e estabilidade quanto de tempo livre para amigos e família. Além disso, o meio ambiente tem sido golpeado com constantes depredações resultando disso escassez, doença, miséria e morte. Se continuar o modelo produtivo que temos hoje no Brasil, condenamos nossas terras a se tornarem deserto e nossa sociedade a naturalizar cada vez mais a desigualdade e a injustiça. A ecopedagogia tem uma episteme que trata de transformações radicais na maneira de relacionamento entre as pessoas, dessas com o meio ambiente, com a educação e com o conhecimento milenar dos povos tradicionais.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Wanda Maria Junqueira. Reflexões a partir da Psicologia Sócio-histórica sobre a categoria “consciência”. Cadernos de pesquisa n. 110, Julho de 2000, p.125-142.

CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultriz Editora, 1997.

DUARTE, Newton (org.). Crítica do Fetichismo da Individualidade. São Paulo: Editora Autores Associados, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

_____. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996 (coleção leitura).

______. Pedagogia da Indignação. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Terra: Ideias centrais para um debate. I Fórum Internacional Sobre Ecopedagogia. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade do Porto – Portugal. 24 a 26 de março de 2000.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora S.A, 1989.

GUTIÉRREZ, Francisco e PRADO, Cruiz. Ecopedagogia e cidadania planetária. 4. ed. São Paulo: Cortez/IPF, 2008.

HOBSBAWM. Eric. Era dos Extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LEONARD, Annie. A história das coisas. Texto traduzido do Vídeo. Tides Foundation – Funders Workgoup For Sustanable Production And Consumption And Free Range Studios. Disponível em: http://sununga.com.br/HDC/index.php?topico=texto. Acesso em: 24 abril 2010.

MARX, Karl. O Capital. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, livro 1, v.1, 1968.

MCLAREN, Peter. Pedagogia da Utopia. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001.

PELLANDA, Nize. À Guisa de Introdução: Reflexões sobre Neoliberalismo e Subjetividade. In: MCLAREN, Peter. Pedagogia da Utopia. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001, pp. 7-25.

RATTNER, Henrique. Sustentabilidade: uma visão Humanista. Ambiente & Sociedade. Ano II, n.5, setembro de 1999, p. 233-240.

SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula. (Orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo; Editora Cortez. 2010.

SAVIANI, Dermeval. Perspectiva Marxiana do Problema Subjetividade- Intersubjetividade. In: DUARTE, Newton (org.). In: Crítica do Fetichismo da Individualidade. São Paulo: Editora Autores Associados, 2004, p. 21-41.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

_____________________________________________________________________________________________