POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA EM CUIABÁ: RESISTÊNCIA E AUTO-ORGANIZAÇÃO

Eliete Borges LOPES

Resumo


O presente artigo defende que, existia em Cuiabá uma comunidade em situação de rua que habitava a Ilha do Bananal, no Centro da Cidade, possuidora de uma auto-organização originada dos arte-fatos e afetos que mobilizavam. Esta manifestação social foi descrita a partir da pesquisa de campo exploratória e contou com diálogos com moradores e descrição dos fenômenos que compunham a comunidade que lá habitava. Os arte-fatos e afetos são uma maneira de dizer das culturas material e imaterial que envolviam a vida da população da Ilha. A pesquisa revelou que, mesmo vivendo sob a égide da vulnerabilidade, a comunidade da Ilha do Bananal conseguia resistir a fenômenos como a pobreza e a violência. O trajeto de pesquisa se desenvolveu a partir da interação entre a população em situação de rua e os diversos elementos presentes na comunidade, quer seja, a dimensão arquitetônica, os graffitis ou os atos performativos da vida na rua.

Palavras-chaves: Arte-fatos; Afetos; Episteme das ruas.

 


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEM, Giorgio. A Comunidade que vem. Lisboa: Editorial Presença, 1993.

ARROYO, Miguel G. Currículo, território em disputa. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Decreto nº 7053 de dezembro de 2009: Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Brasília – DF: [s.n.], 2009.

BOAL, Augusto. A estética do Oprimido: reflexões errantes sobre o pensamento o ponto de vista estético e não significativo. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia, vol. 4. São Paulo: Ed. 34, 1997.

FRANGELLA, Simone Miziara. Corpos urbanos errantes: uma etnografia da corporalidade de moradores de rua em São Paulo. 361 f. 2004. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed., São Paulo: Paz e Terra, 2011.

_______. Pedagogia do oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

_______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GUATTARI, Félix. Caosmose: Um novo paradigma estético. 34. ed. São Paulo: 1992.

LIMA, S. T. et al. (Org.) RUAÇÃO: das epistemologias da rua à política da rua. Cuiabá: EdUFMT, 2014.

MEGAEVENTOS e violações de direitos humanos no Brasil: Dossiê da Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa. [S.l.: s.n., 20--]. Disponível em fomato PDF em: http://www.apublica.org/wp-content/uploads/2012/01/DossieViolacoesCopa.pdf

MERLEAU-PONTY. Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_________________. O olho e o espírito. Tradução Paulo Neves e Maria Ermantina Galvão Gomes Pereira. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

KASPER, Christian Pierre. Habitar a rua. 2006. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Unicamp, Campinas, 2006.

LINS, Daniel (org.) Nietzsche/Deleuze: arte, resistência. Simpósio Internacional de Filosofia. Fortaleza – CE: Forense Universitária, 2007.

PELBART, Peter Pal. Vida Capital: Ensaios de Biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

ROLNIK, Raquel. Guerra dos Lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo, 2015.

RUI, T.; MARTINEZ, M.; FELTRAN, G. (Org.) Novas faces da vida nas ruas. São Carlos: EdUFSCAR, 2016.

Recebido: 30/09/2017

Aprovado: 01/02/2018

Publicado: 30/06/2019




DOI: http://dx.doi.org/10.30681/geoambes.v2i1.3749

Apontamentos

  • Não há apontamentos.