REINVENTANDO A UNIVERSIDADE DEMOCRÁTICA NA PERSPECTIVA DO BEM VIVER: AS VOZES DAS MULHERES EM MOVIMENTO

Maria Ely GENRO, Camila Tomazzoni MARCARIN, Renata Castro GUSMÃO

Resumo


Este artigo apresenta a experiência do Seminário Configurações da Universidade Brasileira: os modelos hegemônicos e as universidades emergentes, realizado no segundo semestre de 2018, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, para trazer à cena problematizações que surgiram no percurso e para aproveitar a experiência para movimentar o pensamento em relação a universidade e a construção de novos paradigmas a partir do feminismo. O atual momento político que o Brasil enfrenta, no qual a educação pública vem sofrendo constantes ameaças e desqualificação. Assim, trazemos a perspectiva do Bem Viver como uma proposta de resistência e enfrentamento à globalização neoliberal que coloca em colapso o planeta, assim como, os efeitos históricos do capitalismo, do colonialismo, do patriarcado e do racismo, com a contribuição das vozes de mulheres em movimento.

Palavras-chave: Descolonização; Universidade; Bem Viver; Mulheres.


Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER. Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CHAUÍ, Marilena. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

CUNHA, Teresa. Todo trabalho é produtivo: economia de abundância e da sobriedade. In Xoan, Hermita (0rg.). (RE) Pensar a democracia. Compostela: Obencicomun, 2017.

ESCHENHAGEN, Maria Luísa. “El BUEN VIVIR” en las universidades? Possibilidades y

limitaciones teóricas. Revista Integra Educativa, vol. VI, n. 3, 2013.

FEDERECI, Silvia. Calibã e a Bruxa: Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FRANCO, Marielle. Diário do Centro do Mundo. Marielle Franco conta sua história. [vídeo] . Publicado em 15 mar. 2018. Acesso em 15 jan. 2019.

FRANCO, Marielle. UPP: A redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. 2014. 136 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo, Universidade Federal Fluminense (UFF). Rio de Janeiro, 2014.

GENRO, Maria Elly Herz. Movimentos Sociais na Universidade: rupturas e inovações na construção da cidadania. 2010. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

MORAES, Andrea, e FARIAS, Patrícia Silveira. Na Academia. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque. Explosão Feminista: arte, cultura, política, e universidade. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Netto Machado, A. M., & Herz Genro, M. E. (2018). Lições do sul: “buen vivir-vivir bien”, uma alternativa ao desenvolvimento, desde o pensamento andino. Otra Economía, 11(20), 119-135. Disponível em: https://revistaotraeconomia.org/index.php/otraeconomia/article/view/14735>. Acesso em: 14 fev. 2019.

ROSSATO, Ermelio. Modelos da universidade brasileira (1920-1968). Santa Maria: Biblos, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

______. O Intelectual de Retaguarda. In: Análise Social, 204, Instituto de Ciências

Sociais: Lisboa, 2012.

_____. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. São Paulo: Cortez, 2004.

SEGATO, Rita Laura. Manifiesto en cuatro temas. CritiCal times | Volume 1. 2018. Disponível em: https://ctjournal.org/index.php/criticaltimes/article/view/30/27. Acesso em: 13/05/2019.

SOBRINHO, José D. Universidade fraturada: reflexões sobre conhecimento e responsabilidade social. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 20, n. 3. nov. 2015.

SOUSA, Mariely Zambianco Soares. Uma experiência de oficina pedagógica de poesia Slam em prol da educação ético-racial. Trabalho apresentado na III Jornada Brasileira de Educação e linguagem, XII Jornada de Educação de Mato Grosso do Sul, III Encontro dos mestrados de Educação e Letras. Campo Grande, Brasil: junho de 2018. Disponível em: https://anaisonline.uems.br/index.php/jornadaeducacao/article/view/4985 Acesso em: maio de 2019.

SOUZA JUNIOR, José Geraldo. Da universidade necessária à universidade emancipatória: balanço da gestão de um sonho. Da universidade necessária à universidade emancipatória. Brasília: Editora da UNB, 2012. p. 7-37

VIANA, Lidiane. Poetry slam na escola: embate de vozes entre tradição e resistência. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Assis Assis, 2018. 165 f.

TUNNERMANN, Carlos. A reforma de Córdoba 90 anos. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO), 2008. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2019.

SCARCIÓFOLO, Stella Maris. Marta Samatan. História de una mujer reformista. Santa Fe: Universidad Nacional del Litoral, 2017.

THEODORO, Tawane. Slam Resistência. O Feminismo não deveria existir! Disponível em: . Publicado em 25 de março de 2017. Acesso em 30 jan. 2019.

TRINDADE, Hélgio. Autonomia universitária. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Configurações da Universidade Brasileira: os modelos hegemônicos e as universidades emergentes. Porto Alegre, 2018.

ZAMBRANO, María. La metáfora del corazón. In: Hacia un saber sobre el alma. 2000. Alianza Editorial, S.A., Madrid, 2012. p.59-69




DOI: http://dx.doi.org/10.30681/geoambes.v2i1.3746

Apontamentos

  • Não há apontamentos.